Instrução Infanto Juvenil

Intercâmbio de conhecimento

Jogar no exterior é um passo fundamental para a nova geração elevar seu nível rumo ao profissional

Por Edvaldo Oliveira em 13 de Abril de 2014 às 00:00

É EVIDENTE QUE UM NOVO TÍTULO de um brasileiro no Banana Bowl após 33 anos, e mais do que isso, a presença de três tenistas do País na semifinal de um dos maiores torneios do calendário juvenil nos cria um sentimento de renovação, esperança e, ao mesmo tempo, de responsabilidade e cobranças.

A campanha de Orlando Luz, João Menezes e Marcelo Zormann foi histórica e relembrou momentos áureos de 1981, quando avançamos à semifinal do Banana Bowl com a minha presença, a de Renato Joaquim e a de Eduardo Oncins na chave em São Paulo. Só não podemos nos esquecer de que há pouco tempo também tivemos gerações promissoras, com Tiago Fernandes, Thiago Monteiro, Bruno Sant’Anna, José Pereira, Fernando Romboli, Nicolas Santos, só para citar alguns bons nomes, mas muitos que não despontaram exatamente na passagem do sucesso juvenil para a dura realidade do profissionalismo.

Diante disso, é muito importante que o jovem brasileiro planeje “sair do casulo” e decida viajar para o exterior nessa fase de transição. De preferência, ele deve arriscar ir para os Estados Unidos ou Europa, porque seu amadurecimento se tornará mais aguçado, tanto no lado pessoal, quanto no cultural, palavras de quem vivenciou o circuito como tenista em uma época em que as facilidades de hoje sequer existiam.

Mercado exterior

Uma vez jogando nesses dois continentes recheados de célebres escolas – algumas consideradas berço do tênis, como a dos Estados Unidos, da França, Grã-Bretanha, dentre outras –, o tenista brasileiro acaba vivendo muito mais do que as situações de um mero torneio.

Esse “mercado” exige que o brasileiro, por exemplo, eleve seu nível competitivo, apresentando um leque maior de jogadas e opções técnicas, além de um aspecto tático extremamente apurado. No pior dos casos, uma derrota, seja em simples ou nas duplas, garante a oportunidade de treinar como se estivesse em casa, porém com a vantagem de ficar envolto ao ambiente do torneio, praticando, talvez, com atletas de países diferentes, e, é claro, com estilos completamente distintos.

O nível dos atletas, portanto, ganhará maior volume para as demais semanas de torneios. E não falo apenas em relação à parte técnica. Nessa mesma semana, o juvenil pode assistir a vários jogos e, inclusive, à partida do adversário que o derrotou na chave, criando condições para analisar taticamente o que pode fazer diferente na próxima vez que cruzar com esse mesmo rival.

Quando o brasileiro está fora do seu país, o técnico sente que o desempenho do pupilo sofre uma sensível melhora, uma vez que, se ele só compete em torneios por aqui, acabará à beira de
um círculo vicioso, sempre enfrentando os mesmos adversários, seus conterrâneos, com estilos muito parecidos. E, muitas vezes, ao fim de sua participação, o atleta acaba voltando para a sua cidade ou local de treinamento ao invés de aproveitar o torneio para treinar com jogadores diferentes e adquirir conhecimento e experiência com mais rapidez.

Agressividade americana

Venho de uma época, na década de 1980 e 1990, em que os jogadores precisavam ou tinham que se redescobrir para serem mais completos.
O tênis nos obrigava a jogar bem, tanto do fundo de quadra, como ter um bom voleio para definir os pontos junto à rede, característica essa sempre predominante nos Estados Unidos.

É importante jogar contra tenistas de escolas diferentes

Se nossos juvenis forem jogar por aqueles lados, vão bater de frente com jogadores desse naipe, que procuram definir os pontos com bolas mais retas (ou seja, com menos topspin) e constroem o caminho até a rede na primeira brecha. Consequentemente, o saque se torna um aliado dos norte-americanos, que quase sempre procuram o ace ou ganhar pontos a partir de um bom primeiro serviço. John Isner, Andy Roddick, Pete Sampras e John McEnroe são alguns nomes que comprovam a eficiência dessa fórmula poderosa, principalmente nas quadras rápidas, piso majoritariamente utilizado no calendário mundial.

Dessa maneira, o brasileiro, que joga uma sequência de torneios em quadra dura, aprende que é necessário bater uma bola com mais qualidade e maior risco, com o intuito de não deixar o oponente lhe atacar. Nos Estados Unidos, o juvenil deixa sua zona de conforto – de um jogador sólido apenas do fundo da quadra – e percebe que precisa acrescentar mais recursos ao seu arsenal, como devoluções, movimentação (os passinhos de ajuste para o golpe ficam mais refinados, principalmente no piso rápido) e posicionamento em quadra, ora pouco mais avançados no momento de pressionar o adversário, ora mais cautelosos quando está em risco no jogo.

Versatilidade europeia

A Europa, por sua vez, foi o continente em que joguei, pelo menos, 50% dos torneios da minha carreira profissional. E, apesar de não ter tantas facilidades como acontece nos Estados Unidos – alugar um carro, grande quantidade de quadras públicas à disposição para treinar, hospedagem e alimentação mais baratas –, as vantagens de se jogar no Velho Mundo são imensas.

Em uma porção de terra bem menor que a metade dos Estados Unidos, você tem contato com uma vasta variedade de jogadores de distintas escolas tradicionalíssimas de tênis. Em uma semana, poderá enfrentar jogadores de diversos países e aprenderá a ter múltiplas táticas a partir da experiência de enfrentar cada um deles, como:

  1. Espanha e Itália: quando um brasileiro enfrenta um jogador dessas duas nações, ele sabe que terá um adversário muito aguerrido pela frente, consistente da linha de base e que lutará pelos pontos se baseando em longas trocas de bola;
  2. França: essa escola geralmente forma jogadores que “flutuam” em quadra com uma mobilidade fora do comum e que sabem distribuir os golpes de um lado para o outro como ninguém;
  3. Leste Europeu: de lá surgem tenistas que sacam uma barbaridade, além de terem um belo backhand à disposição. São jogadores que disparam seus golpes com menos topspin e definem seus pontos na rede, exigindo ótimas respostas na devolução;
  4. Alemanha: foi o país onde morei por cinco anos e onde se formam jogadores com uma mescla de estilos, tanto da escola espanhola como a do Leste Europeu. Aliás, muitos técnicos de países da ex-Iugoslávia residem atualmente na Alemanha. Assim, encontramos jogadores que sacam muito bem, com precisão e também mostram excelente jogo de fundo de quadra.

Chave para o amadurecimento

Por seus desempenhos no Banana Bowl, Luz, Menezes e Zormann inevitavelmente serão cobrados para obterem mais resultados expressivos a curto prazo. Com isso, creio que jogar no exterior, além de contribuir para elevarem seu nível em contato com jogadores de diferentes potências, irá amenizar a carga de responsabilidade sobre esses jovens. Seja na Europa ou nos Estados Unidos, eles poderão jogar mais soltos, porque têm a certeza de que há, ao menos, 100 jogadores que estarão no mesmo nível, seja da mesma idade ou até mais jovens.

Nossos meninos precisam criar o hábito de passar não apenas semanas, mas vários meses fora de casa (algo que vejo como um dos principais obstáculos do adolescente brasileiro devido a um apego familiar acentuado) para terem condições de voltar com um tênis mais compacto, vistoso e forte, para suportar a pressão de jogar bem em seu próprio país.
Se o juvenil brasileiro conseguir completar essa empreitada durante os quatro anos de sua transição para o profissional, creio que teremos mais chances de colocarmos jogadores entre os 100 melhores do mundo no circuito adulto.

Edvaldo Oliveira é técnico-chefe da equipe Oliveira Tennis do Harmonia Tênis Clube, de São José do Rio Preto.


Juvenil/Capacitação intercâmbio jovens Banana Bowl Orlando Luz João Menezes Marcelo Zormann mercado exterior

Artigo publicado nesta revista

Revista TÊNIS 126 · Abril/2014 · Jovem esquadra

As proezas das novas promessas do tênis brasileiro

Grigor Dimitrov

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira
Grigor Dimitrov

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas