Artigo Capacitação

O que torna um jogador um campeão?

Ter o melhor treinador? Ter talento natural? Onde está o segredo?

Por Javier Palenque em 28 de Setembro de 2015 às 00:00

Novak Djokovic

Sempre me questiono se posso bancar o treinador X ou mandar meus filhos para a academia Y, e se isso seria a forma certa de fazê-los melhorar e alcançar um nível acima do que eles estão hoje. Mas, então uma outra parte de mim (a racional) faz com que eu pense mais nessa situação: quantos novos grandes tenistas surgiram das academias famosas? Ou, quanto novos jogadores os treinadores mais gabaritados produziram recentemente? Não sei, mas não acho que foram muitos, ou eu teria lido a respeito.

Isso então me leva à questão: qual o valor de um técnico de alto nível? Ou de uma academia famosa? Talvez eu possa contratar Rick Macci? Ou alguém como ele. Mas então pergunto: quais foram os últimos produtos de seus ensinamentos? Sou incapaz de responder isso. E o programa de desenvolvimento da federação com recursos ilimitados? Novamente, não me surgem nomes.

Então decido fazer uma cuidadosa análise do que acho que são os componentes dessa charada. O que torna um jogador um campeão? Como essas partes se encaixam? Como isso pode parecer uma tarefa impossível? Como eles estão interligados e como os pais e treinadores podem fazer funcionar?

Muitos de vocês vão concordar, outros discordar, mas, apesar disso, aqui está o meu raciocínio sobre o que forma um campeão:

Treinamento: 20%
Dinheiro: 30%
Talento: 20%
Condições da criança: 20%
Vontade e foco: 10%
Treinamento + dinheiro + esforço + condições + vontade = maior probabilidade de sucesso.

Mistura ideal

Vamos desmembrar isso um pouco mais para esclarecer essas premissas. Se você vai para uma academia famosa (IMG, por exemplo), vai se beneficiar de experiências e estruturas de primeiro nível que o dinheiro pode pagar, contudo, apenas isso não gera tenistas top. Nos últimos anos, nenhuma estrela surgiu de grandes treinamentos. Esse treinamento não é necessariamente só no tênis, mas na vida e nas habilidades físicas. Então, mesmo que você tenha o melhor treinamento, isso é apenas 20% do mix, de acordo com a premissa. Se o treinamento tivesse uma porcentagem maior, teríamos muitos novos tenistas no top 100 todo ano.

O talento por si só é inútil se você não tem as outras ferramentas

O dinheiro, obviamente, pode proporcionar oportunidades que ninguém tem e pode contratar os melhores treinadores do mundo. Isso é uma grande combinação e pode lhe dar 50% do pacote. Infelizmente, o dinheiro também tira das crianças “a fome e a vontade”, que são ingredientes intangíveis que não se pode comprar. Basta lembrar de Jim Courier, Maria Sharapova, Na Li, Novak Djokovic. Essas pessoas são grandes exemplos de gente com muitos mais “vontade” do que o suporte financeiro que seus pais pôde proporcionar. Viajar, contratar nutricionistas, hotéis, taxas, isso rapidamente se transforma em milhares de dólares. Essa soma logo torna o tênis fora de alcance para cerca de nove em 10 jovens.

O talento inato da criança, na minha opinião, é tão importante quanto o treinador, apesar disso, se o garoto tem pouco talento, ele pode alcançar isso trabalhando duro. John McEnroe parecia que raramente dava duro, já Ivan Lendl trabalhava como uma máquina. Conclusão, atitude vence talento todo o dia.

Da mesma forma, importantes são as condições da criança, que moldam suas vidas adolescentes, como a guerra na Sérvia de Djoko e Ana Ivanovic, por exemplo, ou as altas dívidas da mãe de Na Li, ou a família bem de vida de Rafael Nadal, ou a experiência na Califórnia das irmãs Williams. Essa exposição para o bom ou ruim molda as situações circunstanciais que, por sua vez, moldam o caráter das crianças, que é o combustível para o futuro.

O último ponto, a vontade da criança, é moldado pelas circunstâncias de seus pais e como eles constroem o caráter do filho. Nadal é o melhor exemplo de jogador dentro e fora da quadra. Creio que esse é o componente essencial que pode elevar as probabilidades de uma forma ou de outra. Da mesma forma, essa é a parte menos pensada, apesar de a mais importante para pais e treinadores.

Na mão de quem?

Então, fazendo essa matemática fácil, aqui estão as minhas conclusões:

  • Todo o dinheiro do mundo não torna você um jogador top.
  • Os melhores treinadores e academias não o torna um jogador top.
  • O talento por si só é inútil se você não tem as outras ferramentas.
  • 50% da solução está nas condições das crianças, sua vontade e talento.
  • Como pais, onde devemos focar? Todos nós temos alguns, mas não todos os componentes listados anteriormente e focamos principalmente nos que podemos comprar. Assim, falhamos em focar nos que podemos moldar, que estão sob nosso controle, e que têm maior peso para as crianças.
  • Treinadores gastam muito tempo ensinando as melhores técnicas, mas apenas isso lhe deixa 80% longe da meta. Mesmo os mais competentes podem lhe dar apenas 20% dessa mistura. Portanto, mesmo que você tenha um treinador razoável na vizinhança, você pode melhorar suas chances. Basta lembrar do pai das Williams, Tony Nadal, das mães de Jimmy Connors e de Martina Hingis, e do pai de Steffi Graf, que foram seus treinadores.
  • Creio que, como pais e treinadores, devemos trabalhar juntos para tentar desenvolver os 40% que estão sob nosso controle (20% de treinamento e 20% de condições familiares), então adicionar à mistura o talento e assim estaremos falando de ter 50%, ou um pouco mais, do todo. Junte a isso uma consciência de formação, que vai levar a uma emancipação da criança, além de um financiamento criativo, e você terá a melhor mistura para você e seu filho.

Portanto, pais, não exagerem no treinamento. Ele é essencial, mas, no esquema geral, é apenas um fator. Treinadores, por favor, avisem os pais que vocês podem proporcionar apenas parte dessa mistura. Ambos devem sentar, conversar, planejar e trabalhar em uníssono para o bem da criança.

A parte mais importante, para mim, é a criança, que conscientemente ou não, controla 50% da mistura. Como pais, temos um ponto nisso também. Estamos trabalhando com uma cultura de excelência para dar às crianças o poder de tomar as melhores decisões? Como sempre digo para meus filhos, quando não estão totalmente comprometidos ou perdendo tempo: “Se você não der 110% todo o tempo, outra pessoa vai. Você controla a maioria da mistura. Decida-se! O que vai fazer?”

Ou como um treinador disse para meu filho: “Lembre-se: bom é o inimigo do ótimo, e você está disposto a pagar o preço para ser campeão?” Pois a maioria das crianças diz que sim, mas não estão, e isso é algo que pais e treinadores têm poder ao moldarem campeões.

Javier Palenque colabora com o site www.tennisconsult.com.
Mais informações: jpalenque@yahoo.com


Juvenil/Capacitação jogador campeão segredo talento treinamento foco

Artigo publicado nesta revista

Revista TÊNIS 144 · Setembro/2015 · A inovação de Federer

“SABR” – o golpe que surpreendeu o mundo - Veja como você pode usar essa tática em seu jogo

O futuro do tênis


Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira
O futuro do tênis

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas