Instrução Equipamento

Trabalhando com tensão

Por que colocar tensões diferentes nas cordas verticais e horizontais?

Por Ricardo Dipold em 13 de Abril de 2014 às 00:00

UMA DÚVIDA QUE RODEIA a cabeça de muitos apaixonados por tênis é saber se a diferença de tensão das cordas verticais com relação às horizontais tem fundamento ou é apenas um mito.

Esse tipo de encordoamento é utilizado pela maioria dos tenistas top do circuito, como Roger Federer, Jo-Wilfried Tsonga, Maria Sharapova, Bob e Mike Bryan, Serena e Venus Williams, Tommy Haas, Fabio Fognini, Victoria Azarenka, entre outros. Talvez um dos únicos gigantes do circuito que não utiliza tal configuração é o espanhol Rafael Nadal.

Mas, afinal, por que a maioria opta por essas diferentes tensões?

Entendendo as instâncias

Se você pensa que o maior estresse pelo qual passa a raquete é quando Nadal, Djokovic ou Federer disparam um maravilhoso forehand, está enganado, pois o maior estresse que a raquete sofre se dá no momento do encordoamento. Naquele ínterim, a raquete está sendo submetida a uma forte pressão, que deve ser executada de maneira equilibrada para que ela não venha a adquirir um formato diferente do que foi previamente projetado.

Imagine uma bexiga cheia de ar, por exemplo. Quando a apertamos de um lado, o ar se movimenta para outro espaço e, consequentemente, expande outra região, gerando uma bolha sem forma definida. Quando encordoamos uma raquete, “praticamente” o mesmo fenômeno acontece, porque quando o encordoador traciona uma corda a uma determinada tensão, o filamento puxa o aro da raquete ao encontro do lado oposto. Levamos em consideração que a raquete de tênis é um relógio com as marcações de 12 horas (como sendo a cabeça da raquete), 6 horas (a parte da garganta da raquete), 3 horas (o lado direito da raquete) e 9 horas (o seu lado esquerdo). Se executarmos a tensão na corda no sentido das 12 horas, o aro nesta posição se movimenta na direção das 6 horas e vice-versa, o mesmo acontecendo quando tracionamos a corda das 3 horas em relação às 9 horas.

Usar tensões diferentes nos filamentos verticais e horizontais gera uma raquete mais equilibrada e igualitária quanto à estabilidade de movimentação das cordas e ajuda a preservar a estrutura do aro

Normalmente no Brasil, utilizamos o padrão em libras como unidade de medida nas tensões de encordoamento, embora não estejamos acostumados a essa unidade de medida em nosso dia a dia. Afinal, uma libra equivale a quanto? Por isso, torna-se mais fácil tratarmos de quilogramas (kg), pois temos mais noção de uma massa de 1 kg.

Se utilizarmos uma tensão de 55 libras, teremos uma força de aproximadamente 25 kg, uma vez que 1 kg é equivalente a 2,2 libras. Então, cada vez que você solicita a um encordoador que ele “coloque” 55 libras em sua raquete, se a mesma tiver uma trama de 16 cordas verticais (também chamadas de mains) por 19 horizontais (crosses), significa que cada vez que ele tencionar uma dessas cordas, exercerá uma força de 25 kg em sua raquete contra o lado oposto, ou seja, ele estará contraindo sua raquete e a tornando milimetricamente menor do que ela é.

Podemos afirmar que as cordas verticais são maiores do que as horizontais nas raquetes de tênis e, quanto maior a corda, maior a tensão a ser aplicada para obtermos um determinado índice de rigidez “X”. Se desejarmos uma raquete uniforme e equilibrada, cordas maiores devem ter tensão maior, enquanto que cordas menores têm que apresentar tensões menores para ambas terem o mesmo índice de rigidez “X”, ou seja, não  se trata de um mito, mas há fundamentos científicos para tal configuração no encordoamento.

Auxílio no spin

Essa diferença de tensão nos filamentos horizontais e verticais gera uma raquete mais equilibrada e igualitária quanto à estabilidade de movimentação das cordas, principalmente das verticais, as quais são fundamentais no tênis moderno, uma vez que essa movimentação é responsável pela maior arma de um tenista atualmente, o efeito topspin. Quanto mais a corda vertical se estica no momento do contato com a bola de tênis e o quão fácil (e rápido) ela retorna ao seu local original, maior será o spin adquirido ao golpe. Portanto não ajudaria muito apresentar tensões iguais entre as cordas verticais e horizontais na trama, pois as crosses muito tensionadas inibem tal movimentação e exigem maior esforço físico e técnico do jogador, podendo ocasionar um estresse desnecessário. Em alguns casos, o exagero é tamanho que o tenista acaba mudando sua técnica e isso pode provocar uma lesão.

Se utilizarmos nas mains uma tensão de 55 libras (25 kg) e 53 libras (aproximadamente 24 kg) nas crosses, as cordas verticais não estarão tão pressionadas e vão apresentar maior liberdade de movimentação, ajudando o tenista a gerar mais spin. Além disso, isso também evitará maior esforço físico e permitirá que ele use sua técnica normalmente e sem riscos de contusão. É parecido com a máxima da lei física de ação e reação, em que, se tivermos maior spin, teremos mais controle, já que esse efeito é uma forma de controlar a trajetória da bola, fazendo-a cair dentro da quadra.

Talvez uma desvantagem dessa diferença de tensão nas mains e nas crosses seja o fato de que quanto mais a corda se movimenta na trama, maior o seu desgaste e, assim, as chances de o jogador quebrar a corda aumentam.

Opção para controle

E se optarmos pelo inverso? Caso “colocarmos” 53 libras (aproximadamente 24 kg) nas cordas verticais e 55 libras (25 kg) nas horizontais, as crosses, por estarem mais tensionadas, vão inibir o movimento das mains, deixando a trama de cordas mais rígida, o aro da raquete alguns milímetros menor no sentido das 3 horas às 9 horas, e alongam o formato da cabeça da raquete. Isso também não deixa de ser um novo jeito de controlar mais a batida, pois, com menos movimentação, o efeito estilingue de um encordoamento também estará inibido, gerando menos potência e mais controle. É uma excelente opção para quem dispara golpes mais retos, mais planos e com pouco topspin.

Resumo

Podemos afirmar que teremos como consequências de utilizar tensões diferentes nas cordas verticais e horizontais:

Vantagens

  • Um encordoamento mais estável;
  • Excelente controle de bola:

- seja através do spin para quem joga com mais efeito;
- seja através de uma trama mais rígida para quem bate mais reto na bola.

Desvantagens

  • Dependendo da configuração, as cordas verticais se movimentam mais, com a possibilidade de maior desgaste do filamento.

A maneira mais correta de saber o que se encaixa melhor para o seu jogo é testar as duas configurações com o mesmo tipo de corda, e as duas raquetes com a mesma tensão, porém invertidas. Faça o teste. Tenha uma raquete com 55 libras (25 kg) nas verticais e 53 libras (aproximadamente 24 kg) nas cordas horizontais, e outra raquete com 53 libras (aproximadamente 24 kg) nas mains e 55 libras (25 kg) nas crosses. Vá para a quadra com as duas encordoadas no mesmo dia, pelo mesmo encordoador e divirta-se fazendo da sua quadra não só o seu terreno preferido, mas o seu laboratório para o que mais ama fazer, que é jogar tênis.

Ricardo Dipold é encordoador profissional MRT certificado pela USRSA, encordoador do circuito profissional certificado pela ERSA. Trabalha nos maiores eventos de tênis do Brasil, como o Rio Open e Brasil Open.
pontodecontato@raquetesparatenis.com.br

É bom ter em mente

Nunca deixe o profissional iniciar o trabalho nas cordas verticais das laterais para o centro da raquete. Exija que o encordoamento seja iniciado do centro da raquete para as laterais, pois você está pagando pelo serviço e é mais do que justo que sua raquete esteja equilibrada.
Recomendamos uma diferença de, no máximo, 4 ou 5 libras (aproximadamente 2 kg) entre as cordas verticais e horizontais, mas o melhor resultado é obtido com diferenças de 2 libras (aproximadamente 1 kg).


Equipamento tensões corda corda vertical corda horizontal encordamento Roger Federer Jo-Wilfried Tsonga Maria Sharapova

Artigo publicado nesta revista

Revista TÊNIS 126 · Abril/2014 · Jovem esquadra

As proezas das novas promessas do tênis brasileiro

Grigor Dimitrov

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira
Grigor Dimitrov

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas