Revista TÊNIS

Paciência de Jó

Para vencer no saibro, é preciso ter estratégia, técnicas adequadas, preparo físico e também muita paciência

Arnaldo Grizzo em 28 de Maio de 2009 às 14:41

Segundo o Antigo Testamento, Jó era um homem íntegro, reto, temente a Deus e que se afastava do mal. Ele também era rico. Porém, uma aposta entre Deus e o Diabo - para testar sua fé - fez com que este personagem perdesse tudo, menos a vida. Humilde e paciente, Jó sofreu todas as provações sem cair em pecado. No fim, Deus lhe restituiu tudo o que tinha em dobro.

Que diabos essa história tem a ver com a maneira de se jogar no saibro? Tudo. O saibro é tido por muitos como o piso que melhor define um grande tenista. Nele não basta apenas possuir primor técnico (aliás, isto não basta em qualquer superfície), pois é sobre a terra batida que um tenista precisa provar todas as suas qualidades físicas, técnicas, táticas e mentais; e aí entra a "paciência de Jó". Sendo assim, os que melhor conseguirem conjugar estes fatores seguramente alcançarão a glória neste terreno.

Saibro, como todos sabem, é a superfície mais lenta do tênis. É onde winners se tornam bolas defensáveis, onde, apesar de toda força que fizer, a bola não vai andar tanto quanto andaria em outros lugares. Por este motivo, o jogo precisa ser muito mais estudado do que em outros pisos e a paciência é uma virtude. Até mesmo grandes campeões sofrem quando atuam sobre o pó. O exemplo mais clássico é Pete Sampras, que sempre teve resultados modestos nestas quadras lentas, que minimizavam sua estratégia de sempre ser agressivo.

Haja paciência

É fácil notar o quanto o fator "paciência" influencia e determina ações quando se trata de partidas em terra batida. No ano passado e neste novamente, o inglês Andy Murray contratou Alex Corretja - ex-jogador cujos resultados mais expressivos sempre foram em saibro - para auxiliar em sua preparação para a temporada europeia de quadras lentas. Em 2008, o espanhol disse ao iniciar seu trabalho: "Estamos tentando fazê-lo entender que, sobre saibro, você precisa ser mais paciente e colocar um monte de bolas na quadra".

Durante Roland Garros 2007, Maria Sharapova, conhecida pela beleza e pelos potentes e definidores golpes de fundo, foi questionada sobre o fato de precisar ter um pouco mais de paciência em seus jogos no saibro. A musa, que possui seus resultados mais modestos nesta superfície, retrucou com: "Não acho que a paciência é necessariamente uma das minhas fraquezas". E, assim, o Aberto francês continua sendo o único que ela não conquistou.

Novak Djokovic, quando ainda estava tentando alcançar as primeiras posições do ranking, declarou após uma dura vitória sobre Gaston Gaudio em Monte Carlo 2007: "Acredito que preciso ser mais paciente nesta superfície. Esse foi o porquê de eu estar perdendo hoje, especialmente no segundo set. Estava muito impaciente, tentando bater um winner de todos os lugares, o que é impossível neste piso. Estou tentado me acostumar ao saibro e ao estilo de jogo que é diferente. [...] As bolas que você acha que vão ser um winner, voltam. Então, física e mentalmente, você precisa estar muito mais preparado".

Esteja preparado

Como bem definiu Djokovic, é necessário muito preparo físico e mental para aguentar os jogos no saibro. Aqui, a velha máxima: "ganha quem coloca uma bola a mais do outro lado da quadra" é mais do que válida, é um ponto crucial. Quem não se sente fisicamente preparado para suportar longas trocas de bola irá sofrer. A falta de um condicionamento físico razoável - ou, no mínimo, no mesmo padrão do seu adversário - deixará o jogo desnivelado quanto mais o tempo passar. E, se um dos jogadores perceber esta fraqueza no outro, ele fará de tudo para ficar horas dentro da quadra e se aproveitar desta vantagem.

Reviravoltas constantes

A lentidão do jogo no saibro, além de favorecer o preparo físico (muitas vezes em detrimento de uma boa técnica), faz com que as partidas se tornem, muitas vezes, imprevisíveis. A morosidade dos pontos na superfície permite que mesmo placares dilatados sejam revertidos e viradas espetaculares aconteçam com relativa frequência. Sendo assim, é possível lutar por um resultado por mais improvável que pareça, alterando mudanças táticas sempre que parecer interessante. No saibro, nunca é tarde para tentar algo novo.

A estratégia e as estratégias

Assim como qualquer outra superfície, jogar sobre terra batida requer planejamento. Ou melhor, planejamentos. Aqui, no entanto, este fator tende a ser ainda mais crucial que em outros pisos. Ter e usar uma estratégia é algo imprescindível, porém, é sempre bom ter variáveis para experimentar. Pois, se existe algo que a menor velocidade no saibro propicia, isso é "pegar o ritmo do jogo". Ou seja, se alguém joga sempre da mesma maneira, seu oponente logo logo perceberá os pontos fracos desta tática e começará a desvendar os segredos para derrotá-la. Por isso, é sempre bom alternar estratégias para que os adversários não se acostumem a elas.

#Q#

Falta e quebra de ritmo

A longa duração dos pontos sobre quadras lentas é uma boa quando um tenista está tentando encontrar o ritmo. O tempo maior para se ajustar a uma batida ajuda os que estão com problemas e até compensa algumas falhas na execução dos golpes. Com paciência, é possível reencontrar a cadência do jogo. Contudo, o que se prega para ter sucesso no saibro não é somente a constância, mas também a variação.

Uma boa mescla de golpes, com peso e efeito diferentes, é o ideal neste piso. Bolas anguladas, drop-shots, grandes topspins, slices, enfim, tudo isso e mais um pouco pode e deve ser usado para machucar o oponente (e deixá-lo maluco sem saber o que será feito no próximo ponto). Tente ser imprevisível quando este fator se fizer necessário.

Constância e paciência

fotos: Ella Ling/RCA Productions

Bola vai, bola vem. O maior segredo para vencer no saibro é, sem dúvida, a constância. Ser agressivo ou defensivo demais é algo que pode não resultar em vitórias, mas a regularidade, esta sim é um caminho mais seguro para o sucesso. Aqui voltamos ao exemplo de Jó, já que constância é sinônimo de continuidade, perseverança, firmeza, obstinação, lealdade, fidelidade. No saibro, a paciência é uma virtude que quase sempre trará grandes recompensas.

Tomamos como exemplo maior Rafael Nadal, cuja constância e paciência tornam-no praticamente imbatível na terra batida. Seu apego tático e sua força mental (além do físico privilegiado, obviamente) fazem dele o que ele é. Ele vence os adversários com os golpes constantes, minando suas resistências, e a calma para se manter nos pontos até o fim, sem se preocupar. Assim, a recompensa por sua paciência sempre vem.

Fique esperto para jogar no saibro

1. Seja paciente
Os pontos são longos. Os winners raros. As oportunidades para finalizar precisam ser bem trabalhadas.

2. Seja constante
Aprenda a ser regular. Mantenha os golpes dentro da quadra. Lembre-se: ganha quem coloca uma bola a mais do outro lado da quadra.

3. Esteja consciente de seu preparo físico
Trabalhar os pontos é algo que demora e consome bastante energia. Se seu preparo físico não está dos melhores, é bom começar a trabalhá-lo. Sua preparação mental vai depender muito de seu condicionamento.

4. Pense estrategicamente
Planeje uma maneira de ganhar os pontos e esteja preparado para seguir esta tática até o fim. Contudo, se perceber que não vai funcionar, é melhor mudar. E, mesmo que a estratégia seja vencedora, sempre tente buscar novos meios para não dar ritmo ao oponente.

5. Use (e abuse do) topspin

O saibro é lugar onde este tipo de efeito se dá melhor, pois faz com que a bola quique alto, limitando as ações do adversário. Então, lembre-se de usá-lo.

6. Varie os golpes
Não se limite a bater na bola da mesma maneira sempre. Busque variações de jogadas, comângulos, slices, curtinhas, lobs etc.

7. Lembre-se: contrapés e drop-shots também existem
Ao deslocar um oponente, tenha em mente que estes golpes são bastante eficientes no saibro. Muito mais que em outras superfícies.

8. Saiba como escorregar para alcançar as bolas
A natureza do pó de saibro faz com que os tenistas estejam sempre "derrapando". Então, é preciso entender como fazer isso.

9. Aprenda a reconhecer quando atacar e defender
Para se dar bem na quadra lenta, você precisa reconhecer as oportunidades que cria e aproveitálas. Entender o momento certo para atacar e defender é um dos segredos.

10. Nunca desista dos pontos ou do jogo
O jogo no saibro propicia a chance de alcançar bolas impossíveis e minar a resistência do adversário com isso. Sendo assim, lute por cada ponto e deixe seu oponente louco. Além disso, a terra batida costuma ter muitas alternâncias de placar. Então, mesmo que as coisas pareçam perdidas, não perca as esperanças e lute para mudar o resultado.


Especial

Artigo publicado nesta revista


REVISTATENIS.COM.BR VOLTA ÀS QUADRAS MAIS ÁGIL DO QUE NUNCA


Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira

Boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas