Entrevista Exclusiva

Entrevista: Bruno Soares define metas para 2020: vaga no Finals, voltar ao top #10 e medalha olímpica

Parte do Conselho de Jogadores da ATP, mineiro disse que já sabia do fim do Brasil Open


Foto: João Pires/Fotojump

Bruno Soares já tem seu nome marcado na história do tênis nacional. O mineiro de 37 anos foi campeão em 32 oportunidades no circuito profissional da ATP Tour e soma ao menos uma conquista por temporada desde 2008. Dono de quatro títulos de Grand Slam, Bruno não teve um de seus anos mais produtivos em 2019, mas mesmo assim somou 3 troféus, entre eles um ATP Masters 1000.

O ano inconstante deve-se a uma série de mudanças que ocorreram a partir do fim da parceria de 3 anos e meio com o britânico Jamie Murray, com quem levantou a taça do Australian Open e do US Open em 2016. Desde o anúncio do término, em maio, o belo-horizontino demorou para conseguir entrosamento com seu novo parceiro, o croata Mate Pavic

Leia mais

+ Entrevista: Marcelo Demoliner fala do sonho de participar dos Jogos Olímpicos e comemora ano positivo

Biomecânica: saiba como essa ciência pode ajudar os tenistas

Depois de baterem na trave e acumularem quedas precoces nos quatro primeiros torneios, eles fizeram semifinal no Masters de Cincinnati, passaram a jogar mais soltos e conseguiram melhores resultados, com destaque para a conquista do ATP Masters 1000 de Xangai, na China, e o vice-campeonato no ATP 250 de Estocolmo, na Suécia. 

Em entrevista exclusiva para a Revista Tênis, Bruno comentou sobre suas metas para a temporada 2020, com destaque para o sonho de medalha nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, e o objetivo de voltar a disputar o ATP Finals após a ausência em 2019. Membro do Conselho de Jogadores do circuito masculino, ele citou também que já sabia do final do Brasil Open bem antes do anúncio oficial. 

Você conquistou três títulos em 2019 com diferentes parceiros. O que pode dizer sobre esse ano de “altos e baixos”?

Exato, acho que não foi o meu melhor ano em termos de resultados de forma geral e o ranking mostra isso. Terminei o ano na 21ª posição, mas foi um ano de mudanças.

Tive o fim da parceria com o Jamie Murray e o início com o Mate Pavic, em que demoramos um pouco para entrosar. Eu e o Jamie tivemos quatro meses que estávamos sólidos e ganhando bastantes jogos e estávamos consistentes, mas foi uma opção dele em tentar algo diferente.

Eu fiquei muito feliz com a escolha do Mate, é um cara que eu gosto muito do estilo de jogo, mas realmente demoramos para entrosar. Para nós o título de Xangai foi muito importante. É para vencer esse tipo de torneio (Masters 1000) que a gente joga. Foi importante também para consolidar tudo o que a gente vem conversando e o que acreditamos para a temporada do ano que vem.

A gente acredita muito no nosso potencial e o tanto que podemos jogar. Depois de alguns meses e derrotas um pouco complicadas, conseguimos conectar os pontos em Xangai e ter um grande resultado. Foi um ano meio diferente, conquistando três títulos, com Jamie, John Peers e com o Mate, ganhando em mais uma temporada um torneio de nível Masters 1000.

Infelizmente o Mate se machucou na semifinal de Estocolmo, mas estamos empolgados e felizes para a temporada 2020.

Com a mudança de parceiro, o título de Xangai foi uma retomada rumo ao Top #10?

Com certeza, para você estar no Top #10 você tem ganhar esse tipo de torneio e tem de ir para as fases finais dos torneios como Masters 1000 e Grand Slam. Mas para fazer isso é preciso ganhar das grandes duplas, que foi o que aconteceu em Xangai, nós ganhamos nas quartas dos colombianos (Cabal/Farah), nas semis sobre o Jamie e Skupski e na final do Marcelo Melo e do Kubot.

Pegamos pedreiras e foi legal para a gente que ganhamos de uma forma muito convincente, isso deu uma moral para a gente para o ano que vem. Masters 1000 é um dos tipos de torneio mais difíceis que tem, porque reúne o topo do topo. São os torneios mais difíceis de entrar e reúnem o que tem de melhor no nosso esporte.

Qual o real motivo do término da parceria entre você e o Jamie?

Na verdade, não rolou nada. Foi meio que de uma hora para outra, pois não pensávamos nisso. Depois da derrota de Roma (para Goffin e Chardy) ele me ligou, foi bem sincero e me disse “Somos muito amigos, conquistamos os maiores títulos da minha vida, mas estou achando que estou precisando de uma coisa diferente, dar uma mudada nos ares”.

Isso é super normal, falei que por mais que somos muito amigos, é uma profissão, batemos um papo e resolvemos o que iríamos fazer e finalizamos. Mas ainda somos amigos e nos damos muito bem.

Foto: João Pires/Fotojump

Como funciona essa mudança de dupla? É importante para um atleta top como você ter um parceiro fixo ou realmente é natural do circuito das duplas?

É importante ter um parceiro fixo, mas é uma coisa natural no circuito de duplas [a troca de parceiros]. Eu joguei quatro anos com o Alexander Peya, fiquei três anos e meio com o Jamie, então são parcerias longas.

Às vezes quando você vê que deu uma estagnada ou percebe que precisa de uma energia diferente, é normal e isso faz parte do mundo das duplas, mas não dá para levar para o lado pessoal, as pessoas têm que olhar o lado profissional e isso a gente precisa entender.

O que esperar de 2020 agora com o mais entrosamento com o Mate?

Acho que terminamos o ano muito bem, como falei, o título de Xangai deu uma moral muito grande para a gente. Nós precisávamos dessa confirmação das coisas que a gente acreditava. Tivemos muitos resultados frustrantes, perdemos jogos que jogamos melhor, e Xangai realmente mostrou para gente que podemos brigar pelos maiores títulos, e é isso que vamos atrás em 2020.

Classificar para o Finals, voltar entre os dez é uma das coisas que a gente quer também. Ano que vem é um ano diferente, é um ano Olímpico, obviamente um dos meus grandes objetivos é ganhar uma medalha olímpica junto com o Marcelo, mas o ano do tênis é muito longo então tem muita coisa importante.

Tem uma expectativa a mais para o Australian Open já que você e o Mate já venceram esse Grand Slam? Onde vai ser a pré-temporada e as expectativas para ela?

Minha pré-temporada vai ser 80% em Belo Horizonte e uma parte em Miami como fiz ano passado. O Mate vai ficar metade em casa e metade na Sérvia na academia do Tipsarevic e fazer um “camp”. Vamos chegar cinco dias antes em Doha e fazer uma mini pré-temporada antes de começar. Vamos jogar Doha, Auckland e depois o Australian Open.

Você acha que a experiencia de vocês pode fazer a diferença para chegar bem no primeiro Grand Slam do ano?

Com certeza, tanto eu quanto ele gostamos das condições da Austrália. A gente joga bem lá e nós dois já fomos campeões. Acho que a experiência conta também, primeiras rodadas de Grand Slam e principalmente na Austrália faz toda a diferença porque o torneio é bem no início da temporada e as vezes você não está com todo o ritmo de jogo.

De repente você ganha um ou dois jogos já muda a dinâmica e já começa a jogar um nível maior, mas é preciso ter cuidado para passar essas primeiras fases. Mas vamos usar a experiência e o treinamento para tentar colocar isso em prática.

Foto: João Pires/Fotojump

Você já falou com o Mate sobre o Rio Open?

Sim, ele quer vir! Já está super empolgado em jogar aqui no Brasil e vai estar comigo lá no torneio.

Qual sua opinião sobre o que aconteceu com o Brasil Open, já que o ATP vai para Santiago? Achou bom que o nome Brasil Open segue, mas será Challenger?

Eu já sabia dessa notícia há muito tempo, pois tive que aprovar essa mudança no Conselho da ATP. Realmente ficou complicado pela data e por tudo que aconteceu e eles tiveram que passar o torneio para Santiago. Mas achei que foi legal pela parte deles ter a iniciativa, dar continuidade e fazer três Challengers.

Não tinham mais condições de fazer o torneio, mas pelo menos vão dar continuidade. Vejo como algo positivo. Querendo ou não ter três Challengers no Brasil ajuda demais a galera que está jogando e está da 80ª posição para trás no ranking, então continua sendo bom para o tênis.

Como você vê seu momento na vida e na carreira? Ainda almeja ser número #1 do ranking?

Eu continuo motivado. Não penso em aposentadoria, amo tênis, amo competir e viajar. Estou com as crianças agora, mas para mim é muito legal viajar com eles e dividir minha profissão com eles.

O Noah já está entendendo mais, pergunta “Papai jogou? Ganhou ou perdeu?” quando assiste aos jogos. Era isso que eu queria quando a gente teve o primeiro filho, que eles curtissem um pouco o que o papai faz. Espero jogar o suficiente para a Maia também entender.

Sigo muito motivado. Estou bem fisicamente e jogando um nível de tênis muito bom, então espero jogar várias temporadas ainda.

Como surgiu a ideia do documentário sobre você?

Eu gostei muito, acho que o material ficou incrível e ajuda mostrar para a galera um lado que a turma não tem oportunidade de acompanhar.  A qualidade da produção está maravilhosa e fiquei muito honrado de poder ter uma série falando um pouco de mim. Espero que dê um resultado legal, que a turma goste e que tenha continuidade. Eu gosto de fazer essas coisas, é importante para o fã do tênis e pro fã do esporte de uma forma geral conhecer os atletas de uma outra perspectiva.

por Vinicius Araujo, Guilherme Souza e Pedro Castelo

Publicado em 29 de Novembro de 2019 às 11:45


Notícias Bruno Soares Mate Pavic Jamie Murray Marcelo Melo