Fisioterapia

Uma radiografia do saque de Andy Murray

A técnica do serviço do inglês número 1 do mundo

Arnaldo Grizzo em 13 de Julho de 2017 às 17:00

UMA DAS MELHORES PARTES DO jogo de Andy Murray é sua devolução de saque. Ele também é um mestre em variar as jogadas de fundo, além de ser um tenista extremamente habilidoso. No entanto, no tênis atual, para ter sucesso e brigar com Federer, Nadal e Djokovic, é preciso ter um arsenal completo. Daí, o britânico vem trabalhando muito em diversos fundamentos. Nos últimos anos, Murray tem ido muito mais para o forehand do que antes e tem tentado a definição dos pontos mais frequentemente também. Devemos lembrar que, para que isso ocorra, é preciso ter um bom saque, para tentar dominar o ponto desde o início. Dessa forma, vamos aqui fazer uma breve análise desse fundamento de Murray.

 
PONTOS A SEREM OBSERVADOS
Na preparação, Murray deixa as pernas (já levemente flexionadas) separadas no início. Ele irá começar o movimento com elas assim e depois vai juntá-las. A maioria dos tenistas possui técnica similar. Outros contudo, como Roddick e Federer, por exemplo, mantêm as pernas mais próximas e praticamente não as mexem durante o golpe.

 

Repare que, como todo bom sacador que se preze, o movimento de Murray é totalmente sincronizado, com o braço esquerdo indo para trás enquanto o direito sobre totalmente reto para o lançamento da bola (toss). Enquanto ele está fazendo esse movimento, perceba como transfere o equilíbrio do corpo para a perna de trás para depois fazer a alavanca para a frente. Murray costuma fazer o toss sobre a linha de fundo. Seu lançamento não é muito alto, mas ainda assim ele tem tempo suficiente de levar a raquete para trás das costas e fazer o contato quando a bola está começando a cair. Nesse momento, ele já juntou as pernas, criando uma inércia para frente e para cima.

 

Por fazer o toss bastante próximo da linha e se focar mais na altura, percebe-se que Murray não ganha tanto a quadra na aterrissagem quanto outros tenistas que lançam a bola mais para dentro da quadra do que somente sobre a cabeça (vide o exemplo de Juan Martin del Potro nas próximas páginas). Ainda assim, ele consegue grande potência e sua terminação, com braço e perna para trás, demonstra o quanto a cabeça da raquete foi acelerada.

Notícias

O futuro do tênis


Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira
O futuro do tênis

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas