Torneio WTA Finals

Serena e mais sete

Alguém vai realmente ameaçar o reinado de Serena Williams? O WTA Finals pode dar algumas pistas

Por Arnaldo Grizzo em 21 de Novembro de 2014 às 00:00

Contestar a superioridade de Serena Williams nas últimas duas temporadas e meia é impossível. Desde meados de 2012, a norte-americana venceu cinco Grand Slams, sem contar outros tantos títulos de WTA e, agora, o terceiro título consecutivo no WTA Finals – que reúne as oito melhores tenistas da temporada. Com isso, terminou o ano no topo do ranking pela segunda vez seguida (é a quarta vez que ela finaliza uma temporada como número um).

Mesmo aos 33 anos, Serena segue sendo dominante em um circuito que vem revelando novas jovens forças recentemente, o que é muito bem-vindo, já que as tradicionais rivais da norte-americana mostraram-se incapazes de segurar seu ímpeto. Maria Sharapova só conseguiu bons resultados no saibro. Ana Ivanovic, apesar da surpreendente vitória sobre Serena no Australian Open, não manteve a constância. Caroline Wozniacki teve uma temporada turbulenta. E Na Li decidiu se aposentar.

Ainda assim, Serena sofreu algumas derrotas inesperadas durante 2014. A primeira para Ivanovic nas oitavas do Aberto da Austrália. Em Roland Garros, a espanhola Garbiñe Muguruza a surpreendeu logo na segunda rodada. Em Wimbledon, a norte-americana não teve melhor sorte, perdendo para a francesa Alize Cornet, que já a havia derrotado em Dubai. Sua plena confiança só voltou nas quadras rápidas norte-americanas, onde fez campanhas quase impecáveis, culminando com a vitória no US Open.

No WTA Finals, a derrota acachapante para romena Simona Halep – que apesar de ser uma das grandes sensações da temporada, nunca tinha superado Serena antes – pareceu um sinal de que, enfim, os novos nomes poderiam ter uma chance de brigar pelo número um. O revés, contudo, tornou a norte-americana mais forte. “Para mim, foi bom perder aquele jogo, pois agora sei o que esperar no próximo ano. Sei em que tenho que trabalhar assim que a pré-temporada começar”, afirmou Serena, em um claro sinal de que não pretende deixar espaço para as adversárias.

Confira a seguir o que se espera das oito participantes do WTA Finals, em Singapura, para 2015.

Serena Williams

Serena Williams

Se desconsiderarmos 2011, ano em que perdeu metade da temporada devido a uma estranha lesão no pé que sofreu depois de Wimbledon em 2010, Serena Williams não tem um ano “tão ruim” desde 2007. Naquela temporada, ela foi campeã no Australian Open e quadrifinalista em todos os outros Grand Slams. Desde então, tinha chegado a pelo menos duas finais de Majors todos os anos (a exceção de 2011), sendo que não ganhou as duas somente em 2008. Em 2014, porém, seu único triunfo foi no US Open. Nos outros grandes torneios, amargou derrotas precoces. Ainda assim, angariou sete títulos na temporada, vencendo 52 de 60 partidas que disputou. No WTA Finals, a derrota por 6/0 e 6/2 para Halep ainda na primeira fase foi chocante. Depois, o sofrimento contra Wozniacki na semifinal também gerou dúvidas, que, no entanto, foram totalmente dirimidas com uma revanche maiúscula sobre Halep na final. Ao que parece, as derrotas de 2014 deixaram Serena “escolada”. Ela sabe que se não trabalhar, verá seu reinado ruir em breve.

Maria Sharapova

Maria Sharapova

Desde que se recuperou da lesão no ombro que a atrapalhou nas temporadas de 2009 e 2010, Maria Sharapova segue sempre minimamente consistente, fazendo pelo menos uma final de Grand Slam desde 2011, com dois títulos, ambos em Roland Garros. O saibro, aliás, tem sido palco de seus principais resultados nos últimos anos. Muito interessante para quem anos atrás dizia se sentir uma “vaca no gelo” jogando sobre a superfície. Ainda assim, todavia, a russa não é capaz de ameaçar Serena. Mais do que isso, ela vem progressivamente perdendo espaço para tenistas mais jovens. Ou ela evolui, ou deve ser ultrapassada.

 

Petra Kvitova

Petra Kvitova

Vencer um Grand Slam pode inflamar rapidamente a carreira de um tenista, mas também pode gerar ainda mais dúvidas em sua cabeça. Depois de vencer Wimbledon em 2011, Petra Kvitova, em vez de corresponder às expectativas que a apontavam como uma futura número um, passou a ter resultados bem abaixo do esperado. Foram necessários três anos de sofrimento, de luta interna, para que a tcheca retomasse o rumo. Ao vencer novamente o Aberto em Londres, depois de um começo de temporada ainda oscilante, ela parece ter entendido o melhor o seu lugar e, mais centrada e experiente, pode passar a sonhar mais alto.

 

Simona Halep

Simona Halep

Juntamente com Agnieszka Radwanska, a romena Simona Halep é uma das principais ameaças ao reinado de Serena Williams. Nesta temporada, ela provou que, apesar de seus 1,68 m, tem habilidade suficiente para derrubar qualquer adversária. Com resultados expressivos e consistentes durante quase toda a temporada, chegou à segunda colocação no ranking, apesar de estar terminando o ano em terceiro (atrás de Serena e Sharapova). Por pouco, não venceu Sharapova na decisão de Roland Garros e, no WTA Finals, assombrou o mundo ao atropelar Serena na fase de grupos. Na final, novamente, não conseguiu controlar os nervos. Mais madura, é uma potencial número um do mundo.

Eugenie Bouchard

Eugenie Bouchard

A canadense Eugenie Bouchard de apenas 20 anos foi a grande revelação da temporada 2014. Apesar de seu fraco desempenho no WTA Finals, seu saldo no ano é mais do que positivo. “Aprendi sobre mim mesma, sobre estar no nível top do esporte profissional, sobre disputar grandes jogos, contra grandes atletas, sobre ter de lidar com a pressão depois de se sair bem e coisas do gênero”, afirmou a garota depois de perder suas três partidas de forma quase vexatória na fase de grupos. Apesar de ter conquistado apenas um título no ano, o que falou alto foram as duas semifinais no Australian Open e Roland Garros, e a final em Wimbledon. Seu jogo altamente agressivo, sem medo de arriscar e nem de qualquer oponente, ainda precisa ser melhor lapidado, mas tem tudo para levá-la ainda mais alto em 2015.

Agnieszka Radwanska

Agnieszka Radwanska

Apesar de 2014 ter sido uma das temporadas mais instáveis da polonesa Agnieszka Radwanska nos últimos três anos, ela ainda demonstra uma grande capacidade. Sua habilidade com a raquete na mão é inegável. No entanto, a parte tática de seu jogo sofreu um pouco este ano, talvez pelo preparo físico não estar como deveria. Ela fez um segundo semestre bem abaixo do esperado, apesar de ter vencido o WTA de Montreal. Em Singapura, deu sorte ao passar para a semifinal tendo vencido apenas uma partida na fase de grupos. Em seguida, foi estraçalhada por Halep. Precisa voltar a apresentar o nível dos anos anteriores.

 

Ana Ivanovic

Ana Ivanovic

Desde 2008 Ana Ivanovic não tinha uma temporada tão empolgante. Não à toa, voltou ao top 10. A musa sérvia ainda mesclou atuações impecáveis com bobeiras incríveis, mas, no final, terminou o ano com quatro títulos e mais duas finais, mas, mais do que isso, mostrando um pouco do tênis que a levou a ser número um do mundo em 2008. Se conseguir se manter assim, focada, pode ir ainda mais longe do que foi este ano.

 

Caroline Wozniacki

 

Caroline Wozniacki

De repente, Caroline Wozniacki, então “queridinha da América”, viu seu noivado com o golfista Rory McIlroy desfeito da noite para o dia. Coincidentemente ou não, logo depois de anunciarem o fim do relacionamento, a dinamarquesa voltou a apresentar o tênis intenso que sempre teve, mas que, nas duas últimas temporadas, parecia esquecido. “Foi um ano muito, muito significativo para mim e de muito aprendizado. Definitivamente foi um ano de que vou me lembrar. Ainda vou sorrir, porque tudo acontece por uma razão. É o que fez o que sou hoje”, disse Caro, que chegou à final do US Open e levou Serena Williams à loucura na semifinal do WTA Finals (a norte-americana despedaçou a raquete depois de perder a primeira parcial), perdendo apenas no tiebreak do terceiro set. A dinamarquesa revelou ainda que estava treinando para a maratona de Nova York. O treino parece ter surtido efeito em quadra.

WTA Final - Resultados

Grupo Vermelho
Ana Ivanovic (SRB) d. Simona Halep (ROU) 7/6(7), 3/6 e 6/3
Serena Williams (USA) d.  Eugenie Bouchard (CAN) 6/1 e 6/1
Ana Ivanovic (SRB) d.  Eugenie Bouchard (CAN) 6/1 e 6/3
Simona Halep (ROU) d.  Serena Williams (USA) 6/0 e 6/2
Simona Halep (ROU) d. Eugenie Bouchard (CAN) 6/2 e 6/3
Serena Williams (USA) d. Ana Ivanovic (SRB) 6/4 e 6/4
Grupo Branco
Caroline Wozniacki (DEN) d. Petra Kvitova (CZE) 6/2 e 6/3
Maria Sharapova (RUS) d. Agnieszka Radwanska (POL) 7/5, 6/7(4) e 6/2
Petra Kvitova (CZE) d. Maria Sharapova (RUS) 6/3 e 6/2
Agnieszka Radwanska (POL) d.  Petra Kvitova (CZE) 6/2 e 6/3
Caroline Wozniacki (DEN) d. Maria Sharapova (RUS) 7/6(4), 6/7(5) e 6/2
Caroline Wozniacki (DEN) d. Agnieszka Radwanska (POL) 7/5 e 6/3
Semifinais
Serena Williams (USA) d. Caroline Wozniacki (DEN) 2/6, 6/3 e 7/6(6)
Simona Halep (ROU) d. Agnieszka Radwanska (POL) 6/2 e 6/2
Final
Serena Williams (USA) d. Simona Halep (ROU) 6/3 e 6/0

Torneio WTA Finals Serena Williams Maria Sharapova Petra Kvitova Simona Halep Ana Ivanovic Agnieszka Radwanska Caroline Wozniacki

Artigo publicado nesta revista

Revista TÊNIS 134 · Novembro/2014 · Revolucionários

Os 10 jogadores que mudaram o tênis. As mais importantes inovações técnicas e táticas

O futuro do tênis


Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira
O futuro do tênis

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas