Instrução Mental

Sensível demais

Quebras de saque constantes, oscilações muito rápidas, dificuldade de manter um nível constante de jogo. Mulheres são mais vulneráveis psicologicamente do que os homens?

Matheus Martins Fontes em 21 de Março de 2013 às 08:52

Ron C. Angle/TPL

"GAME E PRIMEIRO SET, Haddad Maia. Seis games a um". Meia hora depois: "Game e segundo set, Czink. Seis games a dois". "Não sei por que acontece tanta oscilação em jogo no feminino. Mulher é um bicho maluco, sabia? Às vezes, eu mesma não me entendo", solta Bia Haddad depois de ser eliminada nas oitavas do Brasil Tennis Cup, evento da WTA que ocorreu em Florianópolis.

Durante a disputa do Aberto da Austrália, Jo-Wilfried Tsonga foi indagado sobre a razão de tantos altos e baixos no circuito feminino e um dos tópicos foi o topo da WTA, que, nos últimos sete anos, foi ocupado por oito jogadoras diferentes. O francês afirmou que a disparidade existente entre os dois circuitos se deve, exatamente, à instabilidade emocional das mulheres. "Elas são mais instáveis emocionalmente do que nós. Estou certo de que todo mundo dirá que isso é verdade, inclusive elas. Trata-se de hormônios e todas essas coisas", comentou na época.

NERVOS À FLOR DA PELE
Na chave em Florianópolis, os resultados, por si só, já davam ideia do quanto o aspecto mental deixava na mão a maioria delas. Seja em jogos de três sets como aconteceu com Bia, que foi perder apenas no tiebreak da parcial decisiva, ou também em partidas de 1h, como a semifinal entre Monica Niculescu e Kristina Mladenovic, em que a francesa anotou apenas dois games e tomou um "pneu".

Em ambos os casos, as jogadoras encontram dificuldades para manter o mesmo nível de intensidade do começo ao fim. O treinador Rafael Westrupp, que estava atuando como diretor do torneio catarinense, atribui a característica à sensibilidade feminina. Os hormônios nas mulheres, segundo ele, são muito aflorados e fazem com que as interferências externas prejudiquem o seu desempenho nos jogos. "A natureza feminina é mais sensível e isso acaba se refletindo em quadra. Em um jogo, por exemplo, quando a fulana vence o primeiro set por 6 a 1 e a cicrana leva o segundo por 6 a 2, não é que a segunda começou a jogar muito e levou o outro set, mas foi a primeira que baixou a intensidade e começou a jogar mal. Ela saiu de jogo, não conseguiu manter um equilíbrio de rendimento para finalizar do jeito que começou", explica o catarinense.

A paulista Carla Forte, que jogou o qualifying em Floripa, concorda com Westrupp e diz que as mulheres acabam não separando sua vida pessoal da profissional, e os problemas vão parar dentro de quadra. "Mulher é mais emotiva. Na quadra, não é diferente. Acho que não existe uma pessoa dentro da quadra e outra fora dela. A jogadora é o mesmo ser humano. E muitas vezes leva para dentro de quadra o que você é fora e vira uma coisa só. Tirando as irmãs Williams, você vê que é muito difícil uma tenista se estabilizar por muito tempo", opina.

Ron C. Angle/TPL

"Não há como não sentir a pressão, é normal. Ela tem que passar por experiências ao longo da carreira. Para melhorar, ela deve encarar as situações"

VULNERABILIDADE

E quando vem a pressão no feminino, as quebras de serviço aumentam consideravelmente conforme as sacadoras sentem que estão ameaçadas, algo que não acontece com tanta frequência no masculino. O descontrole é resultado da passionalidade da jogadora, nas palavras da alemã Annika Beck, jovem tenista em ascensão do juvenil para o profissional. "É muito mais fácil quebrar o saque no tênis feminino. Os homens sacam melhor do que as mulheres, eles são mais fortes. É muito difícil eles jogarem com a pressão de ter sempre o serviço ameaçado como Federer e Djokovic, que sempre parecem muito calmos. Eles conseguem manter a calma em todas as situações. Você vê mais na WTA que as mulheres são mais emotivas, jogam a raquete, gritam na quadra. Enquanto que, no masculino, não se vê muito disso", conta.

MULHERES DE VÊNUS

Se é difícil perceber o funcionamento da cabeça de uma mulher e um homem no tênis, Westrupp tenta facilitar e compara dois irmãos que foram líderes do ranking, mas que tiveram caminhos distintos na continuidade das carreiras. Os russos Marat Safin e Dinara Safina tiveram seus momentos de glória, mas Dinara não conseguiu suportar a perda de um Grand Slam e praticamente encerrou suas atividades, ao contrário do irmão. "Estive em Valência para fazer um curso em 2009 e fiquei na academia onde treinava Safin, Ferrer, Igor Andreev e Dinara. Quando ela virou número 1 do mundo, o canal principal fez uma matéria especial sobre ela. Mas, ao invés de ela ganhar confiança com isso, aumentar seu equilíbrio, a carreira dela caiu mentalmente, ficou pressionada por resultados e não ganhou Grand Slams. Já o Safin, mesmo não tendo resultados expressivos, em comparação, quando foi número 1, desfrutou por muito tempo o tênis. Jogou por mais dois ou três anos sendo 40º do ranking e aproveitou o tênis à sua maneira. Você vê dois irmãos, que foram número 1, mas ele curtindo o esporte, enquanto que ela sofreu para jogar".

CONSELHOS DE MARTE

Uma alternativa para as tenistas lidarem melhor com a tensão, segundo o treinador catarinense, seria conviver mais com as demais jogadoras, o que acontece no circuito masculino, em que os homens treinam com seus oponentes e sabem encarar numa boa a vida fora da quadra. Para Westrupp, a individualidade, de querer ser a mais bonita ou a melhor do mundo, causa um bloqueio na socialização com as colegas de profissão. "É muito raro você vê-las treinarem entre si. A Venus vem e bate bola com seu treinador. O máximo é quando jogam duplas e aquecem um pouco antes juntas. Entre os homens, não acontece isso. O André Sá bate bola direto com o Andy Murray. Existe uma empatia, uma amizade que faz com que o Andy queira treinar com ele. Os dois saem felizes, talvez jantem juntos, o que não acontece no feminino. Os homens viajam sozinhos ou com o treinador, já a Venus, por exemplo, coloca uma equipe à disposição dela, fica muito fechada. Então, é da mulher ser mais vaidosa, ter um lado competitivo mais aguçado, querer ser a mais bonita, a que chama mais a atenção. É por isso que gostamos tanto delas (risos)", declara.

Para Eduardo Frick, ex-capitão do Brasil na Fed Cup, há maneiras de as jogadoras se manterem mais estáveis e, assim como Westrupp, acredita que as próprias dificuldades do circuito atiçam esse mecanismo de aprendizado. "Não há como não sentir a pressão, é normal, tanto no homem quanto na mulher. Ela tem que passar por experiências ao longo da carreira, dos jogos mais equilibrados, das viagens. Para melhorar esse lado, ela deve encarar situações onde vai ser exigida de uma forma diferente para que consiga evoluir", finaliza.

LÍDERES ENTRE 2007 E 2013:
Jelena Jankovic (SRB)
Ana Ivanovic (SRB)
Dinara Safina (RUS)
Kim Clijsters (BEL)
Caroline Wozniacki (DEN)
Victoria Azarenka (BLR)
Maria Sharapova (RUS)
Serena Williams (USA)

Instrução - Mental

Artigo publicado nesta revista

Revista TÊNIS 114 · Abril/2013 · Tênis feminino

Como a força predomina no tênis entre as mulheres

Grigor Dimitrov

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira
Grigor Dimitrov

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas