Guarde

Seis golpes subestimados do tênis

Marginalizados, eles podem fazer toda a diferença na hora de um jogo

Peter Burwash em 29 de Dezembro de 2015 às 18:39

fotos: Ron C. Angle/TPL

1. Backhand de uma mão

A maioria dos tenistas profissionais e também dos amadores hoje tem o backhand com duas mãos. Mas você estará cometendo um erro se não aprender a bater o backhand de uma mão. Todo mundo precisa, não importa se for para executar um drop-shot, um slice, mudar o ritmo ou - e isso é essencial - fazer um golpe defensivo quando se está na corrida. Se você precisa bater um backhand atrasado, deve batê-lo com uma mão (isso vai ajudar suas costas também).

Dica rápida
Não se deixe enganar pelo rótulo do backhand de "uma mão": seu braço não dominante cumpre papel essencial nesse golpe também. Ele age como um guia durante a preparação e ainda para contrabalancear seu movimento.

 

2. Drop-shot e voleio deixada

O drop-shot é um golpe mais perigoso do que o voleio no circuito profissional atualmente e ele pode ser ainda mais efetivo entre os amadores. Para a maioria dos tenistas, é mais difícil andar para frente e para trás do que mover-se lateralmente. Boa parte dos jogadores tem aversão à rede, então seu drop-shot, mesmo que não ganhe o ponto diretamente, pode colocar seu oponente em uma posição ruim. Nas duplas, o voleio deixada tem benefícios semelhantes. Hoje é raro enfrentar uma equipe cujos dois tenistas ficam na rede, então o drop-volley pode forçar o jogador da base a correr e talvez exagerar ou levantar a bola, dando a chance de você ou seu parceiro matar o ponto com um voleio fácil. É preciso disfarçar as deixadinhas. Se você executou algumas com sucesso, prepare sua raquete como se fosse fazer isso de novo e então empurre a bola no fundo da quadra com efeito slice. Se seu adversário cair na disfarce e começar a se mover para a frente, ele terá problema para chegar na posição ideal para golpear a bola.

Dica rápida
Abra a cabeça da raquete no drop-shot e bata a bola alguns palmos acima da rede. Isso vai assegurar o efeito do golpe e também reduzir o risco de jogar a bola na rede, o erro mais comum das deixadinhas.


3. Saque no corpo

O saque no corpo fez um breve retorno ao circuito profissional, pois Rafael Nadal usa isso muito bem. Porém, entre os profissionais, esse é um golpe arriscado, pois eles se movem muito bem. A menos que o sacador acerte no lugar perfeito, é fácil para um profissional dar um passo para o lado e devolver com seu golpe favorito. Contudo, esse não é o caso entre os amadores. Se você consegue sacar forte, chapado ou slice, na direção do corpo, não encontrará muitas pessoas que consigam sair do caminho da bola. Todo mundo gosta de sacar aces e é excitante quando se dá um saque quique e você vê seu adversário ser jogado para fora da linha de duplas. No entanto, o saque no corpo é mais fácil de executar e tão efetivo quanto os outros, algumas vezes até mais eficiente. Você vai bater a bola sobre o meio da rede, que é mais baixa, e dará poucos e óbvios ângulos para a resposta do oponente. E a devolução sempre será fraca, a não ser que ele seja excepcionalmente rápido. Você provavelmente terá de executar outro golpe depois do saque, mas deve ser um golpe que você ficará feliz em bater.

Dica rápida
O saque slice é particularmente eficiente como saque no corpo no lado do iguais (ou, se você for canhoto, no lado da vantagem). Se mirar na linha do meio, seu saque parecerá que está endereçado para a esquerda do seu adversário e então vai direto para o corpo.

fotos: Ron C. Angle/TPL


4. Devolução funda

No que você pensa quando devolve um saque? Talvez seja: "Quero bater a bola no backhand dele, pois é mais fraco", ou "Ela errou três forehands seguidos, então vou nessa direção". Não é ruim pensar assim, mas não ignore o aspecto mais importante das suas devoluções: a profundidade. A prova infalível disso é quando você mesmo saca. Quão desconfortável você se sente quando seu adversário devolve a bola a poucos centímetros da linha de base, ou mesmo perto de você? Supõe-se que o sacador esteja na ofensiva; uma devolução funda o coloca na defensiva, o que é desconfortável. Então, na próxima vez que estiver jogando, pense em profundidade, mais do que em colocação. Há uma exceção: caso você esteja jogando contra um tenista de saque-e-voleio. Nesse caso, pense em altura (bolas baixas) em vez de profundidade, para que seu oponente tenha que se ajoelhar para executar um difícil primeiro voleio

Dica rápida
Está tudo bem em usar uma preparação mais abreviada na devolução do saque, pois há pouco tempo para qualquer coisa. Não há razão, contudo, para diminuir sua terminação. Estenda o braço através da bola e você vai bater devoluções com grande profundidade.

 5. Balão

Qual o golpe com que Roger Federer teve mais dificuldade em sua carreira? O backhand alto, especialmente quando a bola vem com muito spin e profundidade, como o forehand que o Nadal geralmente produz. Há apenas um Nadal, no entanto, jogadores comuns podem aprender algo com seu golpe e pensar mais na altura de seus golpes em vez de ritmo. É extremamente difícil fazer algo de produtivo contra uma bola alta e funda. Bata uma dessas bolas altas no meio e veja seu adversário sofrer para criar um ângulo. Bata ela perto da linha lateral e é uma garantia de que seu oponente vai jogar uma bola no meio da quadra. O "balão" pode ser um ótimo golpe de approach, e não só porque é complicado para seu adversário fazer uma passada diante de bolas altas. "Balões" também podem lhe dar mais tempo de chegar na rede enquanto jogam seu oponente para trás. Essa é uma combinação vencedora.

Dica rápida
Para bater fundo e alto, você precisa deixar a cabeça da raquete cair abaixo do nível da bola. Se você fizer o movimento de baixo para cima e bater com topspin, pode golpear a bola bem alto sem qualquer medo de que ela caia fora da quadra adversária.

fotos: Ron C. Angle/TPL


6. Slice de forehand

Também conhecido como forehand com backspin, o que teoricamente é mais certo, pois o slice implica em efeito da esquerda para a direita. Esse golpe costumava ter um grande papel no circuito profissional. Hoje, só se vê quando um jogador está correndo desesperado atrás da bola e tenta alcançá-la quase como em um golpe de squash. O jogo amador tende a imitar o profissional, então atualmente você vê quase todos os tenistas amadores bater com apoio aberto e tentando colocar muito topspin nos golpes. Eles deveriam reconsiderar o slice de forehand, pois, com isso, podem colher bons frutos. Você deve usar o forehand com backspin para mudar o ritmo do rali, ou quebrar o timing de um adversário que gosta de ficar trocando bolas com topspin. Isso também serve com um ótimo approach, especialmente na paralela. O slice de forehand é mais fácil de posicionar do que o topspin. Incorpore-o em seu jogo e você verá quanto problema ele pode causar, especialmente contra jogadores que gostam de potência ou que pegam a bola na subida.

Dica rápida
Disfarce esse golpe essencial. Aprenda a levar sua raquete para trás como faria em um forehand com topspin e então ajuste sua empunhadura e seu movimento no último segundo. Quando menos telegrafar o golpe, mais eficiente ele será.


Notícias

O futuro do tênis


Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira
O futuro do tênis

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas