Instrução Preparação Física

A forma ideal

A mesma paixão pelo preparo físico que Ivan Lendl teve como jogador está agora levando-o ao sucesso como treinador

Por Cindy Shmerler em 23 de Agosto de 2013 às 00:00

Andy Murray

Foi depois que começou a trabalhar com Lendl que Murray atingiu seus melhores resultados

“VENHO DIANTE DE VOCÊ HOJE... para reconhecer Ivan como um exemplo bem superior do que eu no âmbito físico, apesar de uma diferença de 13 anos de idade”. Essas foram as palavras de Jez Green, 40 anos e preparador físico de Andy Murray, durante uma declaração que fez na coletiva de imprensa do britânico antes do início do Australian Open de 2013. Green estava lendo uma declaração preparada a ele por Ivan Lendl, campeão de oito Grand Slams em simples e que começou a trabalhar como técnico de Murray no começo da temporada passada.

“Nós aceitamos a ideia de trabalhar com um novo equipamento de treinamento chamado ‘VersaClimber’, na época do US Open do ano passado, e Jez apostou com Ivan que nunca seria capaz de vê-lo experimentar”, explicou Murray em uma coluna para o jornal “The Australian”. “Essa é uma máquina poderosa que lhe faz se sentir como se estivesse escalando uma montanha. Tente imaginar a seguinte situação: basicamente, seus braços estão esticados acima e seus pés presos na parte inferior [da máquina], e daí você começa a escalar. Você a ajusta de uma maneira que exigirá muito do seu quadríceps; de outro jeito, seus braços ficarão doloridos. Antes do desafio, eles estavam se provocando. O perdedor, Jez, teria que ler um depoimento escrito por Ivan. É uma atividade engraçada, embora vá demorar um bom tempo para qualquer um de nós, e principalmente Jez, desafiar Ivan novamente”.

APTIDÃO FÍSICA

Após 16 anos de carreira profissional como jogador, e outros 17 anos afastado do circuito até começar a orientar Murray no início do ano passado, Lendl continua um gênio quando o assunto é condicionamento físico. O homem que introduziu hábitos alimentares saudáveis, exercícios cardiovasculares e treinamentos físicos para uma geração de profissionais que ficou marcada pelos sorvetes Haagen Dazs (John McEnroe) e os refrigerantes Mountain Dew (André Agassi), não se preocupa apenas em estar em forma, mas passou os últimos 16 meses compartilhando seu conhecimento com Murray, que hoje tem 26 anos. Ele costumava correr vários quilômetros, mas, uma vez que seus quadris começaram a doer, passou a pedalar centenas de quilômetros na semana. Uma das coisas que mais atraiu Lendl para Murray, e facilitou sua transição como técnico do britânico, foi o fato de o escocês ser apaixonado por seu próprio trabalho de preparação física.

APERFEIÇOANDO A MÁQUINA

Ele evoluiu sua preparação até chegar ao ápice da forma física após uma série de exercícios de velocidade, que também o forneceram a explosão de um corredor de meia distância. Murray também faz trabalho de musculação na academia, incluindo suspensão em barra com peso de 20 quilos amarrado na sua cintura – o que acrescentou mais de 4 kg de músculo para sua estrutura esbelta de 1,90 m e o permite fazer exercícios mais rigorosos na academia, assim como fazem os jogadores de rúgbi.

“O que Ivan trouxe para Murray foi a estrutura sem ser rigoroso”, diz Darren Cahill, comentarista da ESPN americana e ex-jogador australiano que auxiliou Murray através da associação mútua com a Adidas, um dos patrocinadores de Murray. “Ele [Lendl] é uma pessoa decidida, mas você pode debater com ele. Ele trouxe, no mínimo, uma dúzia de coisinhas novas para o jogo de Andy, recursos que o ajudaram a desenvolver um forehand mais ofensivo, porque Ivan sabe que todos os jogadores hoje estão em forma e não têm nenhum problema em dispararem forehands poderosos para o outro lado da quadra durante todo o dia”.

A própria transformação de Lendl de tenista para atleta veio no momento mais improvável de sua carreira. Após perder quatro finais seguidas de Grand Slam – para Bjorn Borg em Roland Garros de 1981, para Jimmy Connors nas decisões de 1982 e 1983 do US Open e para Mats Wilander na final do Australian Open de 1983 –, Lendl lutou para reverter uma desvantagem de 2 sets abaixo e vencer o grande favorito John McEnroe por 3 sets a 2, com parciais de 3/6, 2/6, 6/4, 7/5 e 7/5 na final de Roland Garros em 1984.

“Depois que venci John, ainda não me sentia muito bem”, disse Lendl, que, assim como a compatriota tcheca Martina Navratilova, é agora reconhecido por ter introduzido métodos de treinamento fora de quadra a fim de levar vantagem sobre os adversários. “Estava me sentindo cansado e havia uma suspeita de mononucleose, que, no fim, não se concretizou. Era um problema nutricional, e foi por isso que comecei a reparar na minha nutrição e isso me permitiu treinar ainda mais. Antes disso, não achava nada demais em tomar um refrigerante de 2 litros no jantar ou comer três porções de framboesa, que têm muitos açúcares naturais. Uma vez que me explicaram e comecei a ter uma dieta nutricional correta, tudo começou, de repente, a melhorar para mim”.

ENCONTRO MARCADO

Lendl é rápido no gatilho em admitir que não se vê como o grande salvador de Murray, nem seu técnico eterno. Ele brinca que está simplesmente esperando completar 55 anos de idade para juntar-se ao circuito sênior de golfe. Ele joga quase todos os dias e, durante Wimbledon, aluga um apartamento que está perto de um campo de golfe para ir caminhando até o driving range às 7h, e ter tempo de jogar, no final da tarde, após uma sessão de treino ou um jogo de Murray. Ele não fica no pé do pupilo, que já trabalhou com cinco treinadores nos últimos 14 anos, incluindo os ex-jogadores Mark Petchey, Brad Gilbert e Alex Corretja.

Lendl estava perfeitamente feliz com sua vida, especialmente após criar cinco filhas esportistas com sua esposa Samantha, quatro delas que foram atletas durante a faculdade (três golfistas, uma remadora e a mais nova, com 15 anos, envolvida com hipismo), e aproveitava seu tempo livre para jogar golfe perto de suas casas em Vero Beach, na Flórida, e Goshen, no estado de Connecticut. Mas, após orientar tenistas juvenis da Federação Norte-Americana de Tênis (USTA) por uma ou duas semanas e abrir sua própria academia na Flórida, Lendl percebeu que havia gostado de treinar crianças, especialmente aquelas que eram aplicadas e queriam absorver mais conhecimento.

Murray era um adolescente na primeira vez que se encontrou com Lendl na academia de Nick Bollettieri, em Bradenton, na Flórida. Ele estava lá com Gilbert, treinando com o tcheco Radek Stepanek, quando Gilbert insistiu que Murray e Lendl se conhecessem. “Nós batemos papo por uns três minutos e ele foi extremamente educado, o que me impressionou bastante”, diz Lendl, que aprendeu um manual completo de boas maneiras com seus pais na antiga Tchecoslováquia. “Acho que essa foi a chave, porque, se não o conhecesse, não sei se seria tão aberto para discussão. Se ele tivesse sido grosso, ou se estivesse no banheiro naquele momento, quando Darren [Cahill] me chamou, talvez teria virado para ele e dito: ‘Obrigado, mas eu gosto da minha vida como está.’”

PASSANDO OS SEGREDOS

No final de 2011, Cahill chamou Lendl e o perguntou se ele poderia jantar com Murray em um restaurante italiano chamado “Sal’s Ristorante”, no meio do caminho entre a residência de Lendl em Vero Beach e a casa de Murray em Miami. E tudo pareceu uma pitada de brilhantismo, já que Murray e Lendl são parecidos em vários aspectos. Ambos são trabalhadores que dedicaram muito tempo para serem os melhores. Mas, com comportamento duro, algumas vezes muito sério, em quadra, ambos também não se entendiam em alguns momentos.

Só que fora de quadra, tanto Murray como Lendl são sarcásticos, sorriem sem esforço e conversam animadamente sobre esportes, tudo desde boxe e futebol, outros esportes favoritos de Murray, e hóquei no gelo, obsessão de Lendl. A coisa mais importante que tinham em comum, além do fanatismo por condicionamento físico, era o fato amargo que Murray estava perdendo as finais de Grand Slam, assim como aconteceu com Lendl no começo dos anos 1980. Lendl compreendia o que Murray passava naquele momento.

Lendl, assim como a compatriota tcheca Martina Navratilova, é agora reconhecido por ter introduzido métodos de treinamento fora de quadra a fim de levar vantagem sobre os adversários

“Ter do meu lado alguém que já passou por tantas coisas, e pelas mesmas experiências que eu, realmente me ajudou”, diz Murray, que, assim como Lendl, foi derrotado em suas primeiras quatro finais de Grand Slam antes de levantar o troféu inédito no US Open do ano passado. “Poder conversar com alguém que entende o sentimento de quem passou por esses momentos, isso é o que creio ser mais valioso, conseguir conversar com ele em níveis mais mentais e emocionais”.

Lendl sabe muito bem que existe uma linha estreita entre preparação física e mental, e que nenhum jogador pode ser campeão sem ambos os fatores. Tem conhecimento também de que nenhum emprego dura para a vida inteira, e, por essa razão, seu acordo com Murray é de mês a mês, semana a semana, dia a dia. “Nós não determinamos data em nossas conversas”, diz Lendl. “A vantagem de Andy e eu trabalharmos juntos em comparação a outros técnicos é que não dependo dele. Digo, não faço isso pelo dinheiro; poderia faturar muito mais só jogando partidas de exibição. Por conta disso, posso dizer a verdade a ele. E se for para seguirmos caminhos diferentes por isso, vamos escolher seguir caminhos diferentes. Sempre digo a ele”, emenda Lendl com uma risada, “quando cansar de mim, me avise. Vou, então, poder jogar mais golfe.”

From Tennis Magazine. Copyright 2013 by Miller Sports Group LLC. Distributed by Tribune Services


Preparação Física/Fisioterapia Ivan Lendl Jez Green Andy Murray Australian Open 2013 Grand Slams forma ideal

Artigo publicado nesta revista

Revista TÊNIS 119 · Agosto/2013 · A história dos números 1

Os grandes ídolos que se sucederam na ponta do ranking da ATP

Grigor Dimitrov

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira
Grigor Dimitrov

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas