Instrução Fisioterapia

Dor muscular

As lesões musculares fazem parte do cotidiano do tenista, por isso ele precisa conhecer os procedimentos específicos de prevenção e tratamento para cada músculo do corpo

Por Felipe Summa e Ricardo Takahashi em 9 de Junho de 2014 às 00:00

ÀS VEZES, O QUE PARECE FAVORÁVEL e encaminhado para um final feliz em uma partida de tênis desvia-se da rota em um piscar de olhos e as causas podem ser as mais variadas e de distintas naturezas. Em muitas situações, o bom nível do atleta acaba comprometido por uma esticada a mais numa bola que, talvez, nem precisasse de tanto esforço ou pela falta de um alongamento antes de entrar em quadra e que, consequentemente, lhe força a chamar o “fisio” já no começo do jogo.

Como já é comprovado, infelizmente, as lesões musculares são fatores extremamente comuns no tênis e representam 23,8% do total de contusões no Brasil. Os músculos mais acometidos são os isquiotibiais (posterior da coxa), seguido do quadríceps (anterior da coxa), tríceps sural (panturrilha) e o abdômen.

Classificação

De maneira geral, as lesões musculares podem ser classificadas da seguinte maneira:

A. Contratura muscular
De característica mais localizada e sem ruptura de fibras musculares, esse tipo de lesão muscular pode ocorrer devido a uma sobrecarga de contração, porém ainda não sendo determinante para causar rompimentos de fibras.

B. Estiramento
Esse tipo de lesão pode ocorrer de duas formas: a primeira quando um ventre muscular sofre um estímulo de alongamento excessivo e acima da sua capacidade, e a segunda quando há uma contração muscular muito forte, geralmente para desacelerar o movimento (contração do tipo excêntrica). Esse tipo de lesão pode causar uma tensão elevada na região acometida, além de dores, edemas e hematomas. No tênis, isso pode ocorrer quando o jogador tenta se esticar para alcançar uma bola com as pernas em grande abertura (“espacate” se comparado ao movimento da ginástica artística) ou quando ele está freando um movimento de grande explosão.

C. Distensão muscular
Há uma ruptura parcial do músculo causada por uma contração muscular de alta intensidade durante uma posição de alongamento. A panturrilha é o local mais comum dessa lesão, e a resposta do corpo pode ser uma dor intensa, além de perda da função muscular e hematomas. Alguns indivíduos que sofrem esse tipo de lesão relatam a sensação de ter levado uma pedrada no local, o chamado “sinal da pedrada”.

D. Contusão muscular
Ela aparece com mais frequência nos esportes de contato decorrente de um trauma direto, e é caracterizada por dores, edemas, hematoma discreto, sem contar a limitação de mobilidade e a redução de força. De acordo com a energia gerada pela pancada, os danos musculares podem ser mais brandos ou mais graves. A contusão mais comum é na lateral da coxa, a chamada “paulistinha”.

E. Ruptura muscular
Tipo mais severo, no qual há o rompimento completo das fibras musculares ou de grande parte delas, causando a perda completa da função muscular. Pode ser vista a olho nu ou o atleta sente a descontinuidade das fibras durante a palpação, e também a presença de hematomas e inchaços.

O que explica a lesão muscular?

As causas das lesões musculares vêm sendo muito discutidas no meio cientifico e estudos mostram os fatores que podem aumentar o seu risco. Indivíduos com idade mais elevada apresentam redução de massa muscular e da capacidade de gerar força e resistência, deixando o grupo muscular mais suscetível a lesões.

Outro fator é o desequilíbrio de força entre grupos musculares que se opõem, como o quadríceps, que tem uma ação contrária ao músculo isquiotibiais. Consequentemente, um desequilíbrio de forças entre esses dois músculos é considerado um fator de risco para a contusão.

Aquecimento inadequado e a fadiga podem favorecer o aparecimento de lesões musculares

Em um trabalho mais antigo, reparou-se que a maioria das lesões ocorre no começo ou no fim dos treinos e jogos, concluindo que o aquecimento inadequado e a fadiga podem favorecer o aparecimento do problema. A fadiga provoca um comprometimento da capacidade de contração, reduzindo a função e aumentando a sobrecarga. Já o aquecimento inadequado não promove o estímulo necessário que o músculo irá receber durante a atividade intensa.

Tratamento

No tratamento imediato para a lesão muscular, é necessário realizar a elevação da região acometida (principalmente em membros inferiores), a compressão com bandagens para a drenagem de edemas e hematomas e, finalmente, a aplicação de gelo no local nas primeiras 72 horas.

Após a fase aguda, o protocolo de tratamento será elaborado de acordo com a gravidade da lesão, podendo variar de quatro a 12 semanas de recuperação. Inicialmente, são realizados trabalhos de alívio de dor e de reorganização do tecido lesado, acelerando a cicatrização. Posteriormente, começa-se o trabalho de fortalecimento muscular, realizado gradativamente e respeitando as limitações de dor e força. Na fase final da reabilitação, quando o jogador já não apresenta mais dores e sua força muscular está adequada, inicia-se o trabalho de retorno ao esporte, com exercícios de explosão, mudanças de direção, saltos e gestos esportivos.

Diminuição dos riscos

Como se sabe, o preparo físico se tornou um aspecto que não deve ser deixado de lado na rotina do tenista, principalmente pela maratona de jogos ao longo do circuito aliada a várias horas do dia reservadas para a preparação pré-jogo. Por isso, o atleta precisa fazer um trabalho específico paralelamente aos treinos e jogos com o objetivo de diminuir os riscos de lesão muscular. Dentre as atividades de prevenção, podemos citar:

1    Aquecimento: antes de qualquer jogo ou treino, o indivíduo deve realizar um aquecimento adequado e específico para o esporte, por exemplo exercícios de elásticos para os braços, trotes e “tiros” para as pernas, além de exercícios abdominais. A reprodução do gesto esportivo no aquecimento, com intensidade baixa, é de suma importância, porque os músculos são informados sobre quais movimentos terão que realizar durante um longo período de exercício.

2    Alongamento: atualmente, pesquisas não têm mostrado a eficácia do alongamento antes do exercício como prevenção da lesão. No entanto, já se sabe que alongamentos leves após o exercício podem auxiliar na evolução da força. De qualquer forma, se o indivíduo já realiza o alongamento antes de treinos e jogos, isso pode ser mantido como uma forma de rotina e concentração.

3    Recuperação: logo após um jogo ou treino intenso, a imersão em banheira com água + gelo* ou técnicas de massagem favorecem à recuperação muscular, diminuindo as dores pós-exercício e também o período de fadiga muscular. Sendo assim, o músculo recuperado precocemente estará apto a receber uma nova carga de exercícios. As técnicas de massagem que mais auxiliam na recuperação do atleta são a esportiva, realizada com intensidade mais forte, e a criomassagem, feita com gelo.

*Cuidado: o banho de imersão em gelo deve ser aplicado entre 8 e 12 minutos, e a temperatura da água não pode estar abaixo de 10ºC.

4    Preparação física: sem dúvida, esse é o quesito mais importante para se reduzir o risco de lesões musculares e deve estar sempre associado à prática esportiva. A maioria das lesões musculares ocorre durante a desaceleração do movimento ou do gesto esportivo, ou seja, ao longo da contração excêntrica do músculo. Assim, durante o trabalho de melhora de força, resistência e potência muscular, os exercícios excêntricos devem estar inclusos.

Exercícios excêntricos

Abaixo, você confere uma sequência de fotos que representam dois tipos de exercícios excêntricos para quadríceps e panturrilhas.

Mais informações:
www.ricardotakahashi.com.br
www.fisioesporte.com.br

Referências Bibliográficas:
Cohen et al. 2002; Mueller-Wohlfahrt H-W, et al. Br J Sports Med 2013; Gabbe, et al. Br J Sports Med 2005; Gabbe, et al. Br J Sports Med 2006; Croiser, et al. Am J Sports Med 2008; Dorman et al. 1971; Fu et al. 1999; Safran et al. 1988; Pope et al. 2000.

Atenção

É sempre importante procurar a orientação de um profissional da saúde que seja capacitado e que tenha conhecimento, não apenas de condicionamento físico, mas que possa também direcionar a redução dos riscos de lesão para o esporte a ser praticado.

O atleta se posiciona de costas para uma cadeira. Com apenas uma perna, ele realiza a descida lentamente, desacelerando o movimento e se sentando na cadeira. Após se sentar, ele executa o movimento de subida com ambas as pernas.
O atleta se posiciona com a ponta dos pés em um degrau. Realiza a descida do calcanhar com apenas uma das pernas. Após finalizar o movimento, ele retorna para a posição inicial com ambos os pés.

Preparação Física/Fisioterapia fisioterapia dor muscular lesão muscular tratamento

Artigo publicado nesta revista



O futuro do tênis


Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira
O futuro do tênis

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas