Como cuidar de sua quadra

De que adianta um jogo perfeito em uma quadra mal cuidada? Aprenda os macetes para deixar impecável o local de seu esporte predileto

José Eduardo Aguiar em 23 de Março de 2009 às 10:19

Tão importante como o jogo de cada tenista, a qualidade de uma quadra é fundamental para uma boa partida de tênis. No entanto, sem os devidos cuidados, o "palco" do espetáculo pode atrapalhar o bom andamento de um duelo, além de causar danos físicos aos jogadores.

Claro que qualquer amante de tênis gostaria de construir uma quadra em sua casa, porém, alguns cuidados são essenciais. Primeiro, fazê-la por conta própria, sem dúvida, é um grande erro. É necessário que se procure sempre uma empresa especializada, com bom tempo de mercado e qualidade reconhecida por especialistas no assunto. Em seguida, após construída, a quadra deverá receber manutenção diária, cuidadosa, seguindo sempre as recomendações do fabricante.

Se esses cuidados devem ser seguidos à risca pelos usuários "caseiros", os clubes e academias também devem sempre estar atentos a algumas recomendações. Seguir cuidadosamente o "manual de instruções" é de extrema importância para manter uma quadra em boas condições; proporcionando um bom tênis, boa saúde aos joelhos, vida longa aos calçados e satisfação garantida aos jogadores.

No Brasil, a grande maioria das quadras é de saibro, superfície predileta da maioria de nossos jogadores - a mesma em que Gustavo Kuerten reinou durante sua vitoriosa carreira. Porém, ao mesmo tempo em que o saibro proporciona um jogo mais lento, mais gostoso, desgasta menos as bolas e, principalmente, o corpo; requer muito mais cuidado na hora de realizar a manutenção diária.

Enquanto isso, as quadras de cimento (é o termo usado no Brasil para falar das quadras duras, mas, na verdade, o piso mais utilizado no país é o asfáltico) são muito mais fáceis de se cuidar. Porém, causam danos sérios aos joelhos, acabam rapidamente com os calçados e proporcionam um jogo mais rápido e complicado.

É muito importante estar atento a cada detalhe na hora de realizar a manutenção diária de sua quadra. Para isso, a Revista TÊNIS aponta os cuidados básicos que devem ser tomados nas duas superfícies mais utilizadas pelos amantes das raquetes no Brasil.

Quadra de saibro

Recomendações

- Utilizar a quadra somente com calçados de solado flexível, sem travas ou cravos;

- Não utilizar a quadra com a superfície excessivamente molhada, provocando desgaste precoce do piso e produzindo desníveis;

- Não colocar objetos como mesas, bancos, ou qualquer outro utensílio com peso nos apoios sobre a quadra, o que pode marcar ou perfurar a superfície;

- Evitar o plantio de árvores, trepadeiras ou arbustos próximos à quadra, já que as raízes podem penetrar sob o piso.

Manutenção

- Toda noite, após o término das atividades, passar o "escovão" (mais aconselhável do que a rede de arrasto) e molhar bastante a quadra, em abundância, até formar um espelho d'água;

- De manhã, antes do início dos jogos, a superfície ainda estará um pouco úmida. Basta passar novamente a escova, varrer as linhas, e a quadra estará pronta para ser usada;

- Por volta do meio dia, parar as atividades, passar a rede de manutenção e dar uma pequena molhada, sem formar poças. Às 4h da tarde, repetir o mesmo procedimento;

- Em dias de muito calor, esta manutenção pode ser repetida por mais vezes. O importante é sempre manter a quadra úmida;

- Escolher um dia da semana para fazer a manutenção geral, como limpar canaletas externas e caixa de pó, que pode ser reaproveitado na própria quadra;

- As canaletas são responsáveis por boa parte da drenagem das quadras. A má limpeza delas - assim como deixar materiais como escova, vassouras e redes no caminho que deve ser seguido pela água - pode retardar o tempo de secagem do piso;

- Nos primeiros meses, é necessário que se passe o rolo manual pelo menos três vezes ao dia. Após chuvas, depois da superfície seca, passá-lo cuidadosamente em toda a quadra;

- Se as quadras apresentarem rachaduras, não se desespere e nem reclame do fabricante. Isto é um sinal de manutenção inadequada e pode ser corrigido jogando mais saibro, molhando e passando o escovão.

- Se a quadra é antiga e ainda possui as linhas feitas com cimento e elas estão desniveladas em relação ao saibro, a solução é batê-las (com tábua) para diminuir a altura e repintar. Trocar por linhas plásticas pode ser uma solução mais fácil, principalmente pelo baixo custo de troca e manutenção.

#Q#

fotos: Arnaldo Grizzo

Quadras de cimento (piso asfáltico)

Recomendações

- Utilizar somente com calçados de solado flexível, sem travas ou cravos. Além disso, solados pretos deixam marcas de difícil remoção no piso, então, evite-os;

- Durante os primeiros 60 dias, não utilizar a quadra com piso molhado ou úmido, o que pode provocar desgaste e deixar a superfície descaracterizada;

- Não colocar objetos como mesas, bancos, ou qualquer outro utensílio com peso nos apoios sobre a quadra, o que pode marcar ou perfurar a superfície;

- Deve-se evitar o plantio de arvores, trepadeiras ou arbustos próximos à quadra, já que as raízes podem penetrar sob ela e levantar o piso.

Manutenção

- Quando houver necessidade de lavagem, a mesma deve ser feita com água e vassoura. Pode ser utilizado qualquer tipo de sabão neutro, desde que seja bem enxaguado e totalmente removido;

- No caso de o piso apresentar manchas escuras, decorrentes do desenvolvimento de fungos - mais comuns em locais excessivamente úmidos -, processar a lavagem com solução de água e cloro (20 litros de água para 1 litro de cloro). Por se tratar de organismo vivo, é necessário, primeiramente, provocar a morte do fungo com aplicação do cloro e depois sua remoção com lavagem simples;

- Para qualquer tipo de lavagem, podese utilizar um jato d'água de alta pressão. Porém, este procedimento requer o cuidado de não aproximar demasiadamente o bico do jato no piso (manter distancia de 50 cm).

fotos: Arnaldo Grizzo

Curiosidade

Atualmente, a ITF (Federação Internacional de Tênis) classifica os tipos de quadra por velocidades, medidas de 1 a 5. Para isso, utiliza um método curioso. A bola é pintada com uma tinta especial e, ao ser lançada, deixa uma marca na quadra. Dependendo do comprimento do rastro, a superfície é caracterizada em um dos níveis estipulados pela entidade.

Esta medida foi tomada para evitar grandes alterações nas velocidades das quadras, comuns durante a história da Copa Davis. Para dificultar os visitantes, os países mandantes abusavam na hora de escolher o tipo de piso, deixando- os exageradamente lentos (para os especialistas no saibro) ou rápidos (para os especialistas no carpete ou na grama).


Especial

Artigo publicado nesta revista

O futuro do tênis


Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 178,80R$ 357,60R$ 178,80R$ 178,80
Assine Agora porR$ 160,92R$ 286,08R$ 99,96R$ 99,96
Desconto
EconomizaR$ 17,88R$ 71,52R$ 78,84R$ 78,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 53,64 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também Munhequeira
O futuro do tênis

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista TÊNIS

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas